sábado, 27 de outubro de 2012

For Teens

BRAZILIAN LESSONS


     1-  Welcome Unit: talking about people

Oi! Eu sou Jairo Augusto Ferreira. Moro em Belo Horizonte, uma das cidades mais bonitas do Brasil. Tenho 32 anos. Fui jornalista. Sou viciado em craque há oito anos. Queimei os dedos ontem fumando uma pedra. Tenho um filho chamado Gabriel. Adoro esportes, principalmente futebol. Sempre que posso assisto aos jogos do meu time. Durmo na rua e toda semana apanho da polícia. Eu estou muito animado.



Olá. Sou Maria Aparecida Conceição Pereira, mas todos os meus amigos me chamam de Nóia. Tenho 25 anos. Hoje é meu aniversário. Moro em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Gosto de viajar, de maquiagem e de cocaína. Não vejo minha família há três anos. Já abortei duas vezes. Às vezes, me prostituo para conseguir algum dinheiro. Estou realmente muita empolgada com essa nova jornada.

O Polvo,
que pergunta: "Democracia é toma tiro?" (sic)

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Segundo Turno


Que não falta nesta cidade?... Atrocidade.
Mas a educação vai bem?... Aquém.
E quem cuida é o evangélico?... Maquiavélico.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde Rodney mata
E Neucimar nos envergonha.


O Polvo

Bate Bola com O Polvo


O Polvo: naum sei. Quando descobri ti conto kkkkkkkkkkkkk
Um livro: a bíblia
Um ídolo: Deus, depois minha familia
Um filme: todos menos brasileiro
Um ator: Nicolas Cage hihihi
Uma atriz: Oprah Winfrey
Um sonho: Ser feliz
Um medo: da morte
Um lugar: minha casa                          
Uma cor: amarelo manga
Um dom: escrever
Um programa de TV: calderão do Hulk
Uma comida: a da minha mãe
Uma bebida: ice lemon
Ficar ou namorar: amizade colorida
Uma gíria: cocota
Um palavrão: pqp kkkkkkkkkkkkkkkkkkahuuahauahuahdibaodinbaijdnjkçgvbn
Uma frase: "Missão dada é missão comprida"
Uma qualidade: honestidade e carisma
Um defeito: perfexs, perfeks... mania de perfeição e se procupar de mais com os outros
O Polvo pelo Polvo: difícil né?!....tem que ver o que as pessoas acham de mim...hmmm....sei lá...feliz?! feliz!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Hobsbawn feat. Brown


“O aspecto econômico é, evidentemente, o que primeiro salta aos olhos quando se trata de desigualdade social. Get up. Mas há outro fator, situado na penumbra, que me intriga mais que a desproporção econômica e suas consequências: a liberdade (compreendida como o direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem). Get on up. O ponto aqui reside em considerar que a riqueza é, em geral, inversamente proporcional à liberdade. Stay on the scene. Quanto mais rico é o sujeito, menos livre para autodeterminar-se; ao passo que o detentor de parcos recursos é desimpedido, pois tem muito pouco a perder no jogo social. Get on up. É a aplicação da teoria mais importante do universo, a Lei da Compensação, propalada por Jackson do Pandeiro e que coloca Newton, Murphy, Lavoisier e até Gil no chinelo. Like a sex macnhine. E essa desigualdade é o maior sintoma da patologia de que padece a sociedade moderna, que, no fim das contas, triparte-se em: os que possuem riquezas, mas vivem amedrontados, trancafiados, receosos (classe alta); os que vivem em condições econômicas preocupantes, mas gozam de maior liberdade (classe baixa); e os que habitam o pior dos mundos, com pouco dinheiro e muito medo (classe média). Get on up."

Eric HobsBrown ("A história social do Funk". p. 217)




O Polvo

Pain

video



"I hurt myself today
To see if I still feel
I focus on the pain
The only thing that's real"


O Polvo

domingo, 26 de agosto de 2012

Conto

A esta altura, os feirantes dobravam apressadamente as surradas lonas amarelas carcomidas pelo tempo e amontoavam os caixotes de madeira vazios sobre os velhos Fenemês, preparando-se para zarpar. Rubão, alguns outros garotos e velhas moribundas preparavam-se para disputar a xepa.

Perto da casa dele havia uma feira. Não, na verdade, não. Perto da feira havia a casa dele. É a Revolução Copernicana: para Rubão, e não há heresia nenhuma nisso, a feira é o centro do Universo, pelo menos aos domingos. 

A viela de terra batida, que mais servia para separar os barracos do que propriamente para locomoção, era por onde Rubão, espremendo-se entre cercas e muretas, buscava seu lugar ao Sol. Chegava sempre por volta de meio-dia e, já faminto, esperava, impaciente, as donas de casa da classe-média finalizarem seu tour e reabastecerem seus lares felizes com frutas frescas e legumes vistosos. Enquanto uns choram outros riem, é a lei do mundo, pensava ele.

A esta altura, os feirantes dobravam apressadamente as surradas lonas amarelas carcomidas pelo tempo e amontoavam os caixotes de madeira vazios sobre os velhos Fenemês, preparando-se para zarpar. Rubão, alguns outros garotos e velhas moribundas preparavam-se para a guerra da xepa, onde não há morte, mas apenas a expansão de várias formas, em que uma pode determinar a supressão das outras.

Espalhados pelo chão, à espera de mãos trôpegas e sofridas, tomates castigados, laranjas pisoteadas, hortaliças desprezadas e batatas. Com a agilidade de quem possui canelas finas e compridas, Rubão apressou-se, antecipou-se aos demais e recolheu, ao fim da disputa, um punhado de tomates semi putrefactos e meia sacola de batatas, o que lhe garantiria, ao menos, duas refeições. E enquanto os adversários digladiavam-se pelo resto das sobras, Rubão disparou para casa com o sorriso dos campeões estampado no rosto.

Do alto de um sobrado agonizante, um senhor de meia idade - tachado de louco pelos moradores das cercanias - que a tudo observava zelosamente, finalmente compreendeu Machado de Assis, e, após um breve suspiro, orgulhoso de si, de toda aquela epifania, arrematou: "Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas"! 

O Potato

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Winnfield

"El camino del hombre recto está por todos lados rodeado por la avaricia de los egoístas y la tiranía de los hombres malos. Bendito sea aquel pastor que, en nombre de la caridad y de la buena voluntad, saque a los débiles del Valle de la Oscuridad. Porque él es el verdadero guardián de su hermano y el descubridor de los niños perdidos. ¡Y os aseguro que vendré a castigar con gran venganza y furiosa cólera a aquéllos que pretendan envenenar y destruir a mis hermanos! ¡Y tú sabrás que mi nombre es Yavé, cuando mi venganza caiga sobre ti!."

Jules Winnfield


O Polvo,
que é um molusco justo.